terça-feira, 4 de novembro de 2008

Veneziano tem razão

Que me perdoe o deputado federal Rômulo Gouveia, mas não colou aquela justificativa de não repassar recursos das suas emendas para a Prefeitura de Campina Grande porque não confia na atual administração.

Nos tempos de hoje, não se concebe que um parlamentar, representante do povo e que tem propósitos de administrar a cidade, tenha em seu currículo um gesto tão pequeno. A cidade é muito maior que os interesses pessoais e não pode ser prejudicada por causa de aspirações de grupos.

Nesta terça-feira, 04, analisei algumas emendas direcionadas para Campina (sic) pelo deputado: para a APAE, para a Escola Técnica Redentorista, para o Hospital Escola da FAP, para a Fundação de Olhos da Paraíba e para a Universidade Estadual da Paraíba construir sua Biblioteca.

Só? É muito pouco. Afinal de contas, essas unidades hospitalares, pelo serviço que prestam à comunidade, já têm direito a essas verbas. O deputado, nesse caso, apenas serviu de “ponte” para que os valores entrassem de direito no Orçamento Geral da União. São as chamadas “verbas carimbadas”.

Quando o deputado decidiu (ou decidiram?) direcionar os recursos das suas emendas para essas unidades, esqueceu que a Prefeitura tem um grande compromisso com a sociedade e não apenas com os mais de 100 mil eleitores conquistados por Veneziano. O “Cabeludo” governa para vermelhos e amarelos.

O prefeito Veneziano não fez um levantamento por bairro, procurando saber quem votou ou deixou de votar nele em 2004. Não há um só bairro que não exista uma ação da atual administração. E não adiante os frouxos, que não têm coragem de mandar e-mail com o nome verdadeiro, me enviarem mensagens agressivas. Campina está bem melhor com Veneziano. Moro nessa cidade há 40 anos e não testemunhei, nos tempos de Cunha Lima, ações efetivas para o progresso da cidade. Vi muitas maquetes eletrônicas para enganar o povo, mídia demais e festas (muitas), que é o forte deles. A velha política do pão e circo. Menos pão, muito mais circo, é claro!

Sensação
A coluna do colega Marcos Marinho é a sensação do momento no site A Palavra. Agrada a uns e desagrada a tantos outros. Fazer jornalismo não é nada fácil, principalmente quando os interesses se conflitam.

Conversa boa

A TV Paraíba entrou ao vivo nessa terça-feira no último dia da prestação de contas dos candidatos ao último pleito. Vi pela TV que, enquanto o repórter dava as informações do prédio da Justiça Eleitoral, o vereador Pimentel Filho (Líder do Governo na Câmara) e João Dantas (líder da oposição) conversavam animadamente. Será que falavam amenidades ou sobre política?
O PT cresceu
Importante registrar a coluna escrita por Vladimir Chaves (foto), no site http://www.politicadaparaiba.com.br/, no qual aborda com muita propriedade o papel do Partido dos Trabalhadores nos últimos processos eleitorais. Confira abaixo alguns levantamentos feitos pelo petista e que mostram que o PT, em sua opinião, fez a diferença para derrotar o grupo Cunha Lima na cidade e para eleger Veneziano duas vezes.

Sobre 2004
Sobre o pleito de 2004, Vladimir fez a seguinte observação: “Em 2004, o Partido dos Trabalhadores, foi decisivo na eleição em segundo turno do prefeito Veneziano Vital do Rêgo. Assim como foi decisivo para vitória do Grupo Cunha Lima em 2000, o PT foi decisivo para sua derrota em 2004. Na proporcional mesmo o partido administrando a cidade, ocupando as principais secretarias, foram apresentadas 15 candidaturas a vereador, alcançando 19.792 votos. Os despercebidos podem até achar que o partido dobrou sua votação, mas se levarmos em conta que entre esses 15, haviam os enxertos promovidos pela ex-prefeita Cozete Barbosa, (Bruno Gaudêncio, Perón Japiassú, Idevaldo Batista e Nildo) que juntos somaram 9.131 votos. Resultado: o partido mesmo com a prefeitura, conseguiu eleger apenas dois vereadores, deste (Paulo de Tarso) abandonou a legenda em seguida. Não podendo ser desconsiderado que dos 15 candidatos, além de Paulo de Tarso, mais oito ex-candidatos saíram do partido em seguida. Só permanecendo os petistas autênticos (abre-se ai uma exceção para Antonio Pereira)”.

E em 2008?
Vladmir enxerga que o PT foi importante graças a participação do Presidente Lula no guia: “Agora em 2008, o PT voltou a fazer a diferença na majoritária, tendo em vista que o candidato apoiado pelo partido foi para o segundo turno com uma diferença de pouco mais de 2000 votos. Levando-se em conta o tempo de guia para majoritária, a militância petista, a participação do presidente Lula e os votos obtidos na proporcional, não restam duvidas de que o PT fez a diferença”.

Na proporcional
Vladimir Chaves analisa os votos conquistados na proporcional, fazendo o seguinte relato: “Quanto à proporcional, o partido manteve a media de votos dos últimos pleitos obtendo 7.952 votos, ao meu vê um desempenho superior aos últimos pleitos, se considerarmos as adversidades deste pleito (no que pese o partido só ter alcançado a primeira suplência). Já que na disputa de 2008 o partido apresentou apenas 10 candidatos, destes apenas dois com experiências em disputa eleitoral (Perón e Eurivaldo) os demais todos novatos em disputa e sem recursos financeiros, contando apenas com a militância do partido. O PT fez a diferença na majoritária, querendo ou não em 2000, 2004 e 2008. Manteve a média de votos na proporcional em 2000, 2004 e 2008. O grande derrotado mesmo foram os que estiveram do lado oposto do PT, inclusive os dissidentes. Que venha 2010”, finalizou. Concordo com o companheiro. O resto é dor de cotovelo mesmo!

Contramão da história
Aquela emissora de rádio acostumada a dar o mesmo nebulizador para conhecida senhora da periferia, ainda não divulgou que Veneziano foi reeleito Prefeito de Campina Grande. Continuarei cobrando.

Coisa feia
E por falar na tal emissora, que coisa feia fez aquele repórter (sic) na campanha eleitoral. A todo instante comparando Veneziano com Fernando Collor. São políticos distintos. De igual mesmo, cada um a seu tempo, só a juventude. Distintos em ações e práticas administrativas.

Espelho, espelho meu...
O nosso Governador merece definitivamente o troféu “Óleo de Peroba” de 2008. Dizer que Veneziano venceu por causa da compra de votos, parece brincadeira. Concordo com Veneziano: o ínclito Governador disse isso se olhando no espelho. Só pode ter sido.

Um comentário:

Lau disse...

O PT de Campina Grande, seria bem diferente se metade de suas lideranças, tivessem o carater e o espirito público do petista Vladimir Chaves. Parabéns Vladimir vejo que depois de anos voçe continua o mesmo