sexta-feira, 10 de julho de 2009

A nova Justiça

Meu pai (o advogado, professor e poeta Apolônio Cardoso), sempre diz que devemos confiar na Justiça, pautando-se obviamente nos ensinamentos que recebeu na antiga Furne e sendo admirador de grandes juristas brasileiros, dentre eles o notável Rui Barbosa.

Rui, de nome pequeno e gestos gigantes. Um homem à frente da sua época. O pai João José decidiu educá-lo e cuidava de ensinar-lhe o amor aos livros e à música. À mãe Maria Adélia coube a tarefa de fazê-lo conhecer a religião, o amor ao próximo, o respeito e a proteção aos humildes, sobretudo a moral cristã.

Estudar era a vida do menino baiano. Com dezesseis anos, incompletos matriculou-se na Faculdade de Direito do Recife. E descobriu um das suas duas grandes vocações: advogado e jornalista. Depois, seguiu o menino para São Paulo, onde terminaria o curso de Direito. Quando ele chegou, os colegas ficaram impressionados com vários caixotes de livros que desembarcaram do navio. Já então sua biblioteca era grande.

Em São Paulo, ele antecipara o que seria o homem Rui: escrevia nos jornais da Faculdade, discursava e se envolvia nas/os questões políticas e sociais. Formado, começou a trabalhar como advogado em sua terra natal. E também como jornalista, no Diário da Bahia.

Rui Barbosa tinha apenas 1,58 de altura. Pesava somente 48 quilos. Sapato 36. Um homem comum. Comum vírgula. O maior jurista que o Brasil já teve.

Em 1871 começou a advogar e estreou no júri, tendo registrado: "Minha estréia na tribuna forense foi, aqui, na Bahia, a desafronta na honra de uma inocente filha do povo contra a lascívia opulenta de um mandão."

Em 1885, no auge da campanha abolicionista, José do Patrocínio escreveu: "Deus acendeu um vulcão na cabeça de Ruy Barbosa."

Escreveu na imprensa: "E jornalista é que nasci, jornalista é que eu sou, de jornalista não me hão de demitir enquanto houver imprensa, a imprensa for livre (...)".

Ao responder a carta de um correligionário civilista em outubro de 1911, escreve uma das mais importantes obras sobre deontologia jurídica: "O Dever do Advogado".

Última frase
Ruy fez seu testamento político na fórmula de um epitáfio, que ele mesmo escreveu para sua pedra funerária:

Estremeceu a Justiça; viveu no Trabalho; e não perdeu o Ideal.

Fiz questão de relembrar Rui Barbosa para retratar a indignação em acompanhar os processos que se seguem contra juízes envolvidos em vendas de sentenças e um outro por espancar a ex-mulher. Bem recentemente, aqui também na nossa terrinha, vários magistrados foram denunciados da mesma forma por venda de sentenças a advogados. Um deles até foi preso porque dirigia o veículo embriagado. O assunto pouco tem sido abordado pela imprensa, mas isso tudo mostra que a 'nova Justiça' brasileira está mesmo mergulhada num lamaçal terrível. Os princípios de respeito às Leis estão sendo rasgados por homens e mulheres bem pagos com o dinheiro público. Claro que não quero generalizar. Existem bons juízes e excelentes advogados.

Os que trilham pelo caminho do crime, certamente não são seguidores de Rui Barbosa. Por isso, que meu pai, advogado de longas datas e tantos outros que labutam pelo caminho da legalidade, não possuem patrimônios de chamar a atenção pública. Mas podem dormir tranquilamente sem que possam ser investigados por algum Tribunal ou coisa parecida. Se não tivermos uma Justiça que faça Justiça plena e transparente, em quem iremos confiar?

Zé de Deus
O vice-prefeito José Luiz Júnior ressurgiu das cinzas. Depois de uma delicada cirurgia para retirada de coágulo na cabeça, é um novo homem. Vendo o amigo Zé Luiz sorrindo como um menino, passo a acreditar mais firmemente na existência e no amor de Jesus Cristo pelas pessoas que fazem o bem sem olhar a quem.

Prefeito pra quê?
O prefeito de Massaranduba, Paulo Oliveira, esteve na imprensa nesta semana para condenar o Governo do Estado pelo sumiço de uma ponte de apenas 10 ou 12 metros de comprimento. Sinceramente, se for pra ser prefeito e não ter recurso para fazer uma ponte de 10 metros, prefiro ser jornalista...

Também quer palco

A petista Socorro Ramalho avisou que não vai responder Basílio Carneiro, também do PT, que a acusou de estar nomeando cassistas na 3ª Região de Ensino. Ramalho afirmou que Basílio quer palco para ganhar notoriedade. Então está explicado...

Negociata ou lobby?
O deputado Jacó Maciel pegou pesado quando disse que deputados de oposição ao Governo do Estado estariam sendo cooptados com dinheiro para votar pelo empréstimo ao BNDES. Acho que o deputado quis dizer lobby, que é uma estratégia normal no mundo da política desde que o mundo é mundo.

Será ciúme?
Quem também exagerou nas declarações foi o presidente da Câmara Municipal de Campina Grande, Nelson Gomes Filho, (PRP), que classificou como "desastrosa" a administração do prefeito Veneziano Vital do Rêgo. Condenar uma administração por causa de alguns buracos em tempos de chuva é uma irresponsabilidade. Por isso que a gestão de Nelson vai entrar para a história como a que não existiu.

E pode?
Em Santa Luzia, a rádio Vale FM, a cada duas músicas executadas apresenta o prefixo da emissora com o nome do seu proprietário, no caso o Senador Efraim Morais. E o Ministério das Comunicações permite essa propaganda particular sendo a rádio uma concessão pública?

3 comentários:

Ágora disse...

Dizer que essa administração não esta sendo desastrosa é ta sendo pago meu caro pra não ver, poupeme

Simone disse...

Quanto a ponte vai tu ser prefeito pra ver como é bom administrar com pouco recurso aqui em campina tem muito dinheiro so que é na MAIORIA das vezes investido de forma errada

Claudio Quirino disse...

Alguns buracos em tempos de chuva????????????????
KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

O caro jornalista deve andar a pé ou de avião.;.

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

A cidade tá um lixo....